quinta-feira, 17 de maio de 2018

ECONOMIA NACIONAL >> Inadimplência do consumidor registra novo recorde em abril, mostra estudo da Serasa



De acordo com estudo desenvolvido pela área de Decision Analytics da Serasa Experian, a inadimplência do consumidor registrou novo recorde em abril de 2018: 61,2 milhões. O montante alcançado pelas dívidas atrasadas foi de R$ 271,7 bilhões, com média de quatro dívidas por CPF, totalizando R$ 4.438 por pessoa. O recorde anterior foi identificado em novembro de 2017, quando o índice bateu 61,1 milhões. Segundo os economistas da Serasa Experian, a volta do crescimento do desemprego no primeiro trimestre do ano prejudicou quem pretendia pagar as contas em dia, já que a falta de emprego é uma das principais causas da inadimplência no país.

Ainda de acordo com os economistas, a concentração de compromissos financeiros típicos dos primeiros meses do ano (IPVA, IPTU, material escolar etc.,) também contribuiu para a elevação da inadimplência do consumidor nos últimos três meses, que contempla abril com o maior número da série histórica.
Na comparação com abril de 2017 (60,1 milhões), o índice teve alta de 1,9%. Na relação com o mês anterior (março: 61,0 milhões) também foi verificado crescimento de 0,4%.
A maior concentração dos negativados está no gênero masculino, que representa 50,8% dos inadimplentes. A maioria das pessoas com débitos vencidos tem entre 41 e 50 anos (19,7% do total). Em segundo lugar no ranking de participação entre os inadimplentes estão os jovens de 18 a 25 anos, que respondem por 14,2% do total.
A região com maior percentual de pessoas com dívidas atrasadas é a Sudeste, com participação de 45,1%. Na sequência estão: Nordeste, com 25,2%, Sul, 12,7%, Norte, 8,9% e Centro-Oeste, 8,1%.
Por segmento, as dívidas atrasadas com bancos e cartões de crédito em abril de 2018 lideraram, com representatividade de 28,6%. As Utilities (água, luz e gás) aparecem em segundo lugar, com 19,2%. Na sequência: Varejo, com 12,6%; Telefonia, com 11,5%; Serviços, com 10,9%; Financeira/Leasing, com 10% e Outros, com 7,3%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário