sexta-feira, 9 de novembro de 2018

A IMPORTÂNCIA DE PRESERVARMOS A CAATINGA >> Pesquisa revela que o Juazeiro pode amenizar os impactos da seca

Um estudo do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) indica que a seca que atinge o Nordeste há sete anos é a mais intensa desde 1850, quando o monitoramento começou a ser feito. São mais de 100 mil municípios atingidos e mais de 20 milhões de pessoas afetadas. O estudo ainda estima mudanças climáticas na região até o final do século. Num cenário em que o acordo para diminuir as temperaturas não seja cumprido e o aquecimento global aumente em até 4 graus, a tendência é de que o Nordeste se transforme em um deserto.
Para amenizar estes efeitos, pesquisadores da Embrapa Semiárido descobriram que a árvore típica da caatinga, o juazeiro, pode ser uma aliada na diminuição dos impactos causados pela seca e para evitar a desertificação. Os estudos realizados pela Embrapa revelaram que o juazeiro tem papel fundamental na recuperação de áreas degradadas, em um trabalho com auxílio de abelhas.
"O juazeiro é uma espécie importante fornecendo néctar e pólen para as abelhas, numa época em que a caatinga tem pouca oferta. Com essa interação vai haver a frutificação, esses frutos vão servir de alimento para os pássaros que, consequentemente vão dispersar as sementes, originando assim novas plantas de juazeiro, que vão então sombrear novamente e repovoar essa região. Por ser uma espécie que se mantém enfolhada ao longo do ano, ele ameniza essa situação criando um ambiente propício para germinação, inclusive, de sementes de outras espécies nativas da região", declara a Bióloga e Doutora em Caracterização de Ecossistemas da Embrapa, Lúcia Kill.
Após os resultados, mudas foram distribuídas para projetos de recuperação e recomposição da caatinga. O objetivo é fazer com que o juazeiro seja usado da melhor forma possível. "As informações geradas já estão disponíveis na forma de calendários para as abelhas, orientando a época de floração e a oferta de néctar e pólen, bem como na forma de cartilhas, orientando no plantio dessas árvores, quer seja para recuperação de áreas degradadas, quer seja no uso do paisagismo urbano. Com isso a gente espera que reabrir o papel ecológico do juazeiro seja reconhecido e que a espécie seja preservada”, concluiu Lúcia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário